domingo, 20 de junho de 2010

Nota de falecimento


Ao invés de um texto, publico hoje a nota de seu falecimento. Foi morto na manhã do dia 18 de junho, pois seu bater de asas causava incômodo e repulsa. Teve vida curta e anônima. Nasceu de uma noite insólita de espanto, sorrisos, cerveja e um bom filme. Morreu pelo novo. Morreu de distância, de solidão e de lembranças que passeiam perto da porta logo cedo.

Ao ser questionado, o assassino alegou que o texto era feio. Compreendo...

Porém, deixo meu lamento pela morte prematura deste que, sem pretensões nem a beleza das borboletas, voava desajeitado e repulsivo naquela manhã fria enquanto a vida doía dentro e fora de mim.

6 comentários:

@mor disse...

meus pesames ... Mas a vida continua e novos textos nascerão ...
tao lindos e emocionantes como o nascer de cada dia.....beijos

Poeta Mauro Rocha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Poeta Mauro Rocha disse...

No ciclo da vida, a vida circula e novos casulos se transformaram em belos textos e deslumbrantes asas da imaginação.

Bjs!

Marilu disse...

Querida Amiga, primeiramente venho agradecer-lhe a visita, seja sempre muito bem vinda. Belo texto, sempre teremos as feias lagartas transformando-se em lindas borboletas. Essa metamorfose segue o ciclo da vida. Tenha uma linda semana...Beijocas

Marilu disse...

Querida Amiga, venho desejar-lhe um lindo final de semana...Beijocas

Marilu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.