terça-feira, 29 de setembro de 2009

Mundo


Havia um Sujeito Levemente Esverdeado na esquina, uma Senhora Muito Magra olhando para as mãos no ponto do ônibus e uma Garota com uma grande mochila roxa encostada no muro com uma pequena Salamandra no ombro. As Formigas passeavam tranquilamente pelo meio fio e o Vento soprava calmo, indiferente, impertinente tentando irritar a Salamandra.
Havia um muro azul com frases bíblicas e uma Freira que andava apressada em frente a um ferro velho com seu hábito pesado escorrendo asco e virtude, roçando o chão poeirento e as Formigas despreocupadas.
A Salamandra olhou demoradamente para a Freira com expressão de divertimento. O Sujeito Levemente Esverdeado acendeu um cigarro e ofereceu à Salamandra.
Havia um Sujeito Levemente Esverdeado e uma Salamandra fumando na esquina enquanto a Senhora Muito Magra que olhava para as mãos rezava baixinho para que os Anjos parassem de beber e fazer barulho nas escadas à noite.
O Sol fazia buracos na superfície do dia e a Garota repreendeu a Salamandra por fumar.
O Tempo tocava piano para acalmar o Sol, os Pássaros voavam fatigados e as Flores sofriam de um leve transtorno mental característico das tardes quentes demais.
Os Carros corriam, as Mulheres choravam, os Homens vagavam e as Crianças fingiam que não sabiam de nada voltando escandalosamente das escolas enfadonhas com seus uniformes suados e suas mochilas grandes demais e seus cabelos despenteados.
Um Hippie pediu um cigarro à Salamandra que ficou desconcertada e olhou para o Sujeito Levemente Esverdeado que deu um cigarro ao Hippie e depois comprou uma pulseira de mandalas em couro.
As Formigas continuavam sua marcha descontraída e a Senhora que olhava as mãos levantou a cabeça e pediu ao Hippie um cigarro.
Ele disse que só tinha maconha.
A Freira parou no ponto do ônibus e olhou com dureza para a Salamandra, para o Hippie e para o Sujeito Levemente Esverdeado.
No jardim de uma mansão do outro lado da rua uma Mulher Lânguida chorava e dizia: “Oh, meu umbigo, meu umbigo...” enquanto seus Filhos cresciam alheios às lágrimas e ao umbigo da mãe ouvindo as histórias das Formigas que moravam no jardim e queriam fazer uma parceria com os Tatus para criar um partido anarquista ultra radical. Os Tatus ficaram preocupados e disseram as Crianças que as Formigas estavam em crise existencial.
A Salamandra saltou do ombro da Garota e foi pedir maconha ao Hippie, que sorriu para a Freira e saldou as Formigas Anarquistas.
Resolvi ir embora e, de longe, eu ainda ouvia a Mulher Lânguida chorar e repetir: “Oh, meu umbigo, meu umbigo, meu umbigo...”

3 comentários:

@mor disse...

mil e uma fases de uma so pessoa....bjao!!!!!!

Poeta Mauro Rocha disse...

"O Tempo tocava piano para acalmar o Sol, os Pássaros voavam fatigados e as Flores sofriam de um leve transtorno mental característico das tardes quentes demais." Trecho mais que apropiado para esses dias de calor infernal e o pior é que vai ficar ainda mais quente..." Ótimo texto. BJS

Delirium disse...

nooooooohhhhhhhh, adorei =). Ótimo texto, gosto da mistura, dos seres, das crenças, dos detalhes não detalhados...